Este trabalho aborda o papel desempenhado pelo processo de concertação social na definição das orientações colectivas da sociedade. Em primeiro lugar, trata-se de analisar o sentido e a relevância da integração dos grupos sociais e económicos intermédios - os parceiros sociais - nos mecanismos institucionais da concertação social. Em segundo lugar, o texto pretende sistematizar as principais características e compreender o significado dos acordos de concertação social praticados, nos seus efeitos positivos e negativos. Por último, pretende-se, assim, avaliar as consequências do funcionamento dos mecanismos institucionais de negociação colectiva relativamente às condições de vida e de trabalho dos indivíduos.