No contexto da experimentação de novos modelos de gestão da relação do emprego surgiu a referência, geralmente exprimida de uma forma holística, ao conjunto de inovações como integrando a "Gestão de Recursos Humanos". No entanto, a referência à Gestão de Recursos Humanos como orientação e prática escamoteia tanto como revela. Não é evidente para o sociólogo se se está a perspectivar uma disciplina, uma área restrita entre outras funções que a gestão empresarial tem de encarar (e portanto, um conjunto de técnicas), uma abordagem alternativa e contemporânea da função genérica que se refere à gestão do pessoal, ou um movimento ideológico que procura transformar os gestores e administradores do pessoal em actores mais relevantes na vida da empresa. Do ponto de vista sociológico, o problema fundamental relativo à Gestão de Recursos Humanos é a determinação precisa do objecto de análise. Neste texto, olha-se para os fenómenos associados com a referência à Gestão de Recursos Humanos de maneira a poder construir um objecto propriamente sociológico. Entre outros objectos considerados úteis para o estudo sociológico são a génese da Gestão de Recursos Humanos e a formação dos mandatos e consensos modernizadores em torno das políticas sociais e empresariais, o papel do Estado na produção e reprodução das condições do mercado do trabalho, o papel das associações profissionais dos gestores na propagação de novas normas para a gestão da relação do emprego, o aspecto normativo no desenvolvimento das teorias económicas e de gestão. No entanto, como estas questões não esgotam o interesse da sociologia na Gestão de Recursos Humanos, o texto propõe que uma linha de investigação particularmente interessante envolve o problema da compatibilidade da Gestão de Recursos Humanos com os sistemas de relações industriais existentes.