A medida agregada de inovação tecnológica proposta no presente artigo surge através do cruzamento de duas abordagens parcelares, realizadas no âmbito dos estudos económicos e sociais sobre a inovação tecnológica nas últimas décadas. Essas duas abordagens, cujas principais características e estágios evolutivos são objecto de revisão sucinta no artigo, correspondem aos trabalhos visando o desenvolvimento de estatísticas apropriadas de C&T e da inovação, por um lado, e aos estudos sobre difusão da inovação tecnológica, por outro lado. A medida proposta é calculada através de um procedimento de dupla ponderação, em que se considera simultaneamente a complexidade das tecnologias adoptadas pela empresa e as oportunidades de aprendizagem associadas ao período decorrido desde a adopção das tecnologias. O cálculo da medida é efectuado utilizando-se para o efeito dados de um inquérito a empresas de vestuário portuguesas e italianas. A série assim construída é empregue como variável dependente num modelo explicativo da sua variância, no qual se correlacionam com sucesso variáveis representativas das fontes de conhecimentos tecnológicos internas e externas à empresa, das capacidades estratégicas, de gestão e organizacionais e ainda da capacidade de mobilização de recursos por parte da empresa. Conclui-se que a abordagem proposta apresenta um conjunto importante de potencialidades, mas também algumas limitações, indicando-se possíveis vias para a sua futura superação.