A sociedade portuguesa tem confinado as mulheres ao desempenho de tarefas eminentemente domésticas. É difícil para as mulheres a construção de uma carreira profissional nas empresas, dificultada por valores sociais que "guardam" o mundo dos negócios para os homens. Esta investigação mostra como as mulheres estão arredadas das empresas ainda que lhes seja mais fácil progredir quando essas empresas são da sua própria família. Só em percentagens diminutas, ou devido a factores negativos, as mulheres assumem a direcção de topo nas pequenas empresas familiares.