Depois de uma breve caracterização de algumas das dimensões da qualidade e da qualidade total no campo das organizações empresariais, o autor incide a sua análise sobre as ligações críticas entre os discursos da qualidade, da qualidade total e da educação. Defende, depois, que a retórica da qualidade total pode ocultar outras agendas que vão no sentido de omitir, em nome de valores gerencialistas, a emergência de outros valores que têm a ver com a cidadania e com os direitos democráticos. Congruentemente, o artigo termina relacionando a qualidade total no campo educativo com o novo mito da racionalidade técnica, cumprindo ao mesmo tempo, e num contexto institucional de mercado, a função, entre outras, de credibilização externa das organizações educativas.