Este artigo centra-se fundamentalmente na análise das estratégias empresariais desenvolvidas no contexto pós-fordista. Salienta em particular o desenvolvimento de redes de empresas, a introdução de novos modelos de produção e o estabelecimento de novas formas de articulação com o território. Tomando como referência o caso do complexo produtivo do calçado, procurámos analisar em que medida as condições de funcionamento do sector a nível mundial e as características do espaço/território em que as empresas se situam, condicionam os processos de modernização desenvolvidos pelas empresas.