Este trabalho constitui um ensaio teórico sobre as possibilidades da perspectiva institucional para o estudo das organizações, desenvolvido a partir da revisão das bases históricas da teoria e dos textos clássicos que forjaram uma ruptura com o "velho institucionalismoll e deram lugar a uma abordagem com maior poder explicativo da realidade organizacional, denominada neoinstitucionalismo. Neste artigo são apresentadas as orientações econômica, política e sociológica da teoria institucional; seus diferentes enfoques, o debate sobre as concepções de ambiente técnico e institucional e a questão do isomorfismo. Para finalizar, os autores indicam algumas questões críticas da teoria e o seu potencial para análise dos fenômenos organizacionais e dedicam particular atenção aos esforços empíricos realizados, particularmente, no Brasil, neste domínio, bem como às possibilidades de aplicação no âmbito gerencial.